consultoria de marketing

Consultora de marketing não é igual a Eng. Informática, Designer e Gestora de Clientes!

Conhecem a árdua tarefa de ser consultora de marketing, para pequenas e médias empresas?

Tenho-me deparado nos últimos anos, quando visito os meus clientes de que os mesmos olham para nós consultoras como as “salvadoras” da sua empresa e referem-me frases como: “…agora é que vão entrar clientes pela porta, com o marketing digital a funcionar”, “…quanto tempo demora até chegar o primeiro cliente?” “…quero x clientes já neste 1º mês” etc. etc.

Perguntas e afirmações como estas ouço diariamente, nas primeiras reuniões de consultoria. Nada mais irreal, pois são necessárias análises da empresa e do mercado e só depois através de todas as análises que temos definidas para tal (SWOT, BCG, etc.) podemos definir as estratégias que vamos adotar e os objetivos e previsões que vão ser definidas.

Outro ponto que me deixa bastante desanimada e que tento explicar aos empresários/as é o facto de acharem que a profissional de marketing tem de saber implementar tudo o que é necessário na sua empresa, para ela começar novamente a competir no mercado.

Mais especificamente quando falo que é necessário criar ou melhorar o website atual, questionam-me se o posso criar. Sou sincera com eles crio conteúdos para sites e artigos para blogs com base nas estratégias de SEO, agora pedirem-me para saber criar código HTML, CSS, etc. acho que é não terem a mínima noção de que é necessário um curso em engenharia informática ou algo similar e que existem profissionais qualificados à espera de uma oportunidade para fazerem esse serviço, com qualidade e rapidez de que necessitam.

O mesmo acontece com a área do Design, querem que saibamos fazer tudo e mais alguma coisa, que tenhamos técnica e conhecimentos de variados programas de design para criar designes complexos e criatividade para que os mesmos sejam inovadores e apelativos.

Já para não falar nas vendas, querem que sejamos um gestor de clientes exemplar, que consigamos levar o cliente a avançar por todas as fases do funil de vendas e inclusive fechar o negócio com o mesmo, fase essa que já pertence ao responsável de vendas, que tem toda a informação proveniente da equipa de marketing e apenas necessita de aplicar as estratégias de vendas da empresa aliadas à sua experiência profissional.

Este artigo serve apenas como um desabafo, pois se a área do marketing é tão vasta: marketing de conteúdo, marketing de experiências, marketing digital, marketing offline etc. etc. não podem exigir de nós conhecimento aprofundado na área do marketing e além disso em informática, design e vendas.

Um exemplo prático:

É como se eu fosse dentista e exigissem de mim funções completamente distintas da medicina dentária, tais como:

  • advocacia porque se algo correr mal no tratamento tenho de saber defender-me legalmente;
  • contabilidade porque se a gestão financeira não for corretamente realizada a clínica vai à falência etc. etc.

Cada profissional tem a sua área de intervenção que deve ser respeitada e não pode ser exigido a um profissional algo que não faz parte da sua profissão e que “rouba” trabalho que é realizado por colegas de outras áreas, com formação nas mesmas e com mais qualidade e conhecimento dessas funções.

“Contrate um profissional que seja bom na sua área de atuação e não um profissional que seja razoável em várias áreas de intervenção. Corre o risco de ficar pior do que o que estava.”

A consultoria de marketing é fundamental para uma análise da empresa e do mercado, bem como para orientar a empresa em cenários de incerteza. Mas após a consultoria a implementação das estratégias é fundamental que seja realizada por uma equipa de profissionais qualificados, nas suas distintas áreas: marketing, design, informática, vendas.

“Cada macaco no seu galho e a árvore dará muitos mais frutos!”
Deixe-me ajudá-lo(a) a fazer crescer o seu negócio.

Como o marketing de conteúdo me atrai clientes?

O marketing de conteúdo utiliza conteúdo relevante através do funil de vendas, para atingir potenciais consumidores, na intenção de criar um bom relacionamento e gerar mais conversões.

Através de informações relevantes as empresas conseguem atrair a atenção dos utilizadores presentes na Internet, transformá-los em leadspotenciais consumidores – e incentivar as leads qualificadas a concluírem uma compra.

Antes de mais nada, sabe o que é o funil de vendas?

O funil de vendas demonstra o percurso que um utilizador realiza até se tornar num interessado, num comprador e num defensor da sua marca/empresa.

Tal como o nome indica é um funil com um topo largo em direção a uma base estreita, pois a atração e entrada de utilizadores é sempre maior do que as conversões atingidas.

funil de vendas / marketing

Quais são então as etapas que percorrem o funil de vendas?

O funil de vendas é dividido em 3 etapas: topo, meio e fundo.

  1. Topo do funil — Descoberta do problema

O topo é conhecido como a etapa da consciência, pois até aqui a pessoa era indiferente à sua própria necessidade ou problema.

  • A pessoa não procurava nenhum produto ou serviço porque desconhecia que tinha esse problema. No entanto, quando tem o primeiro contato com a sua empresa/marca, ela compreende que existe esse gap e vai estudar sobre ele.
  • Chega então o momento de fornecer materiais que ajudem o visitante a diagnosticar o problema e a compreendê-lo. Deste modo, qualquer dúvida que surja sobre o assunto irá procurar a sua empresa para esclarecê-la.

Nessa etapa geralmente lidamos com visitantes, pessoas que chegaram até ao site, mas sobre as quais ainda não temos nenhuma informação.

Chega o momento de oferecermos-lhes materiais ricos, na tentativa de convertê-las em leads e fazê-las descer no funil de vendas.

 

  1. Meio do funil — Reconhecimento do problema e consideração da solução

A passagem da 1ª etapa para a 2ª é o reconhecimento do problema.

  • O visitante já leu bastante sobre o assunto e reconhece que realmente tem um problema. Neste momento está à procura de soluções para acabar com o problema e chega a altura da sua empresa apresentar dicas e técnicas que possam ajudá-lo/a.
  • Nessa fase, normalmente já lidamos com as leads, pessoas que já interagiram com o conteúdo e forneceram informações básicas de contato em troca do acesso a algum conteúdo.

Como o lead não sabe bem como resolver o seu problema, vai considerar várias soluções, inclusive a compra de um serviço. Porém, tem dúvidas se essa é realmente a opção correta para seu caso.

O objetivo da sua empresa é ajudar o lead e não vender-lhe algo à força toda, tem de estabelecer uma relação de confiança que será benéfica quando o lead já estiver qualificado e puder passar para a próxima fase do funil – a decisão de compra.

 

  1. Fundo do funil — Decisão de compra

No fundo do funil lidamos com MQLs (Marketing Qualified Leads) — leads que passaram por todo o processo de educação e que o Marketing classificou como prontas para receberem o contato do vendedor.

  • Uma MQL sabe que tem um problema que não o consegue resolver sozinha e como tal, precisa de contratar um serviço/comprar um produto.
  • Se a sua empresa acompanhou a lead até esta fase, então já é conhecida como uma empresa de referência de mercado e uma empresa em quem ela pode confiar para negociar o serviço/produto.

Chega então o momento certo, de mostrar que a sua empresa é a parceira certa que ela tanto procura, pois apresenta os produtos e/ou serviços que lhe resolvem o problema.

Após algumas comparações com outras empresas, a MQL vai escolher a que acredita ser a melhor alternativa e fecha o funil de vendas, realiza a compra e transforma-se num cliente.

Algumas empresas incluem ainda uma 4ª etapa: a pós-venda. Essa etapa é focada em fidelizar o novo cliente e transformá-lo num promotor da sua marca.

Deixe-me ajudá-lo(a) a fazer crescer o seu negócio.

Saiba mais aqui: Criação de conteúdo

 

plano de marketing para 2018

Já começou a planear o seu ano 2018? O seu Plano de Marketing já está a ser esboçado?

Tal como fazemos à meia-noite do dia 31 de Dezembro, quando comemos as 12 passas e desejamos que o ano novo seja cheio de amor, paz e sucesso, também devemos logo no início do ano começar a definir os objetivos, que vamos querer atingir ao longo do ano que se está a iniciar.

Sabemos que não é fácil crescer x% ou lançar x novos produtos/serviços, mas se as estratégias forem bem estudadas e delineadas, com antecedência necessária, tudo fica mais claro de qual o caminho devemos percorrer, para atingir esses mesmos objetivos.

Como é que isso se faz?

É simples, planeie e defina o orçamento que irá aplicar no marketing da sua empresa. Escolha estratégias de marketing, que vão ao encontro do seu posicionamento. Alargue horizontes a novos mercados, fidelize os clientes atuais e deixe uma % de esforços, para a angariação de novos clientes.

Sabia que segundo Philip Kotler: “Conquistar um novo cliente custa 5 a 7 vezes mais do que manter um antigo” e a prova disso está na dificuldade que temos, em começar a angariar novos clientes através das vendas pelo website, quando apenas temos o site online e nunca definimos uma estratégia de atuação do mesmo, seja ela de criação de conteúdo relevante para o nosso público-alvo, seja ela de promoção do mesmo, junto dos motores de busca (Google Adwords) e das redes sociais (Facebook, Instagram, etc.).

Deste modo, devemos apostar nas campanhas sempre que possível para angariar novos clientes, mas devemos também apostar nos clientes atuais e tentar fidelizar os mesmos, dando-lhes informações relevantes sobre a empresa, os produtos e serviços e oferecendo-lhes promoções/descontos exclusivos, para que eles se sintam únicos e agradecidos por fazer parte da nossa rede de clientes.

Se acha que 2018 é o ano de viragem da sua empresa. Se sente que precisa de apostar no marketing digital e não sabe por onde começar, eu posso ajudá-lo(a).

Juntos fazemos um diagnóstico da situação atual da sua empresa e definimos quais os seguintes passos de atuação.

Podemos começar por um plano de marketing básico, por apenas 490€ terá acesso a:
  • ANÁLISE SWOT
  • DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE MARKETING DIGITAL (Website, redes sociais, SEO, SMM, Email marketing, SMS Marketing, software multicanal, etc.)
  • DEFINIÇÃO DO BUDGET (Vários cenários para diferentes budgets disponíveis)

Qualquer dúvida não hesite em contactar-me, sem qualquer compromisso. Tem interesse neste plano e quer marcar uma reunião para esclarecimentos adicionais?

Deixe-me o seu contacto para agendarmos a mesma ou discutirmos já as suas dúvidas:

Desejo-lhe um feliz natal

Já enviou os seus emails a desejar um Feliz Natal e um Bom Ano Novo?

Nesta época somos atingidos por um comportamento de consumo excessivo, embebidos pelo espírito natalício. Mas sabia que também é a época do ano, em que se realizam mais campanhas de solidariedade social, com mais sucesso?

bolas de natal

 

Diferentes tipos de marketing estão bem presentes nesta época do ano:
  • o marketing infantil,
  • o marketing digital
  • ou o marketing directo estão presentes na época Natalícia, mas é o marketing social o que revela uma maior importância, devolvendo ao Natal o amor, a paz, a entreajuda e a partilha que tanto o caracteriza.

 

Se precisar de ajuda para enviar a sua mensagem de natal, eu posso ajudá-lo(a).

Fotografia a prato de restaurante, para o Facebook

Tenho um restaurante devo utilizar o Facebook?

Última hora: Já se pode encomendar comida via Facebook, nos EUA!

Logo a resposta à pergunta inicial é: claro que deve utilizar o Facebook para promover o seu restaurante através de fotografias, vídeos e comentários com os seus clientes e potenciais clientes.

Voltando à questão da encomenda online de comida, para já esta funcionalidade está apenas presente, nos EUA, mas muito em breve chegará ao mercado europeu.

Já imaginou um cliente que está a visitar as suas fotografias e vídeos no Facebook e de repente, um dos seus pratos lhe desperta uma imensa vontade de provar as suas iguarias. Até agora o que ele pode fazer é verificar a vossa morada e deslocar-se ao vosso espaço, assim que o mesmo esteja aberto.

Muito em breve apenas terá de carregar no botão que atualmente se chama “Order Food” e que em português provavelmente será “Encomendar”, preencher o formulário e esperar que a sua comida lhe chegue ao local onde se encontra (casa, trabalho, rua) ou ele próprio passe no seu restaurante e levante a mesma em modo take-away. Veja aqui como já se faz, nos EUA.

Já viu as imensas possibilidades, que esta rede social lhe dá?

Você quando leu isto pensou logo: “isso é para os grandes restaurantes, com veículos e equipas de entrega ao domicílio e eu não tenho esses recursos disponíveis”, certo?

  • Pois bem como viu também existe a possibilidade de o cliente ir buscar ao seu espaço, como um take-away, ou seja, irá aumentar potencialmente o seu volume de negócios, sem ser necessário qualquer investimento da sua parte, em recursos humanos e veículos.
  • O objectivo do Facebook é facilitar a vida aos consumidores e aos restaurantes, pois desta forma não necessita de ter um site com funcionalidades que possibilitem a encomenda online de comida, o que seria mais um investimento a suportar por si.

Para concluir: Sabia que atualmente as pessoas já vão ao Facebook para descobrir o que querem comer, e leem sobre os restaurantes que existem nas suas imediações e o que os seus amigos dizem sobre eles. Se não sabia, está na altura de ver como está a sua página do Facebook.

“Não basta convencer as pessoas a aderirem à nossa página em determinada rede social. É necessário criar uma relação com elas, mantê-las interessadas e felizes com a marca.”

Espero que este artigo o(a) tenha ajudado, quanto à importância de estar presente no Facebook. Sugiro-lhe que me passe a seguir no Facebook e por este blog, para estar a par de todas as dicas que tenho para si e partilhe nas redes sociais este artigo, se achou interessante.

Obrigada.

Dina Ferreira Consultora de Marketing

Dina Ferreira – Consultora de Marketing para Pequenas e Médias Empresas

Sou uma pequena ou média empresa devo apostar no marketing?

Para começar deverá investir na sua marca e no atendimento ao cliente, para aumentar as suas vendas e o lucro do seu negócio. De seguida deverá apostar em fortalecer ou implementar pela primeira vez o marketing na sua empresa. Se não sabe como, eu posso ajudá-lo(a).

Primeiro de tudo invista nas redes sociais

robertsmarketing-illustrationSe ainda não criou uma página da sua empresa na internet ou um perfil nas principais redes sociais (facebook, instagram, linkedin, twitter, etc.) é hora de tomar uma atitude. É cada vez mais habitual os consumidores comprarem e discutirem as marcas e produtos pelas redes sociais, pelo que as empresas que não apostarem nesta presença online estão claramente a perder novos consumidores. As redes sociais possibilitam que a empresa ouça os seus clientes e potenciais, encontrando pontos que deverá melhorar e mudanças que deverá realizar no seu negócio seguindo a procura do mercado, isto é, a voz de quem compra – os consumidores.

Segundo deverá construir uma marca forte

Mesmo que a sua marca não se torne famosa e conhecida pelo público em geral, é importante para uma pequena ou média empresa consolidar a sua marca no seu mercado potencial. Deste modo, os seus funcionários, colaboradores e clientes saberão exatamente qual é a imagem da sua empresa, e irão ajudá-lo(a) a divulgá-la. Para conseguir obter uma boa posição no mercado e construir uma identidade visual consolidada e padronizada, deverá investir na imagem da sua empresa através de apelativos cartões de visitas, folhetos e catálogos promocionais, presença em feiras do setor, etc. Não se esqueça a sua marca é a sua imagem.

Terceiro ofereça um bom atendimento aos seus clientesinbound-marketing.png

A impressão que um cliente tem da sua empresa antes, durante e após o contacto com a sua empresa é tão ou mais importante que o produto ou serviço que lhe é vendido. Seja em que fase for da venda, é indispensável ter um bom atendimento. A empresa tem de ser capaz de responder às solicitações e reclamações dos consumidores com agilidade e manter um canal direto entre eles e a empresa. A sua equipa tem de estar orientada e motivada, para dar respostas rápidas e claras às dúvidas que o cliente apresentar.
Com um atendimento bem definido e estruturado, fica muito mais fácil e simples receber sugestões de mudanças e melhorias por parte do cliente.

Quarto deverá calcular o retorno do marketing

Algumas métricas de marketing exigem relatórios elaborados e complexos. Outras, no entanto, podem ser percebidas rapidamente através do andamento do negócio. Antes de tomar uma decisão e passar à ação, deverá investigar quem é o seu público-alvo e qual é o efeito esperado, que a sua ação vai ter nesse público, isto é, irá comprar mais o produto A, B ou C, irá repetir a comprar A com mais frequência, etc.. Tenha um “mapa” estruturado que compare o objetivo da sua nova estratégia com o resultado alcançado, e compare também os números do período anterior para calcular o impacto do esforço da nova ação de divulgação da marca.

Quinto deverá criar um plano de marketing

O plano de marketing é tão ou mais importante quanto o plano de negócios. O primeiro passo é analisar os fatores externos e internos que podem influenciar o desempenho da empresa (Análise SWOT). Deverá entender como funciona o comportamento de compra dos seus clientes e conhecer bem os outros players no mercado (concorrência). Estes dados irão ajudá-lo a definir o posicionamento da sua empresa e traçar as estratégias, os objetivos e as metas de marketing, com base em dados reais. Qualquer plano de marketing que seja criado deverá sempre ter um cronograma, que indique o responsável para cada ação, bem como a altura que essa ação deverá ser executada.

Sexto mantenha-se sempre informado e estude o mercado1.png

O mercado está em constante mudança, a uma velocidade bastante elevada, pelo que o que hoje funcionou, amanhã pode já não funcionar, porque o consumidor evoluiu e prefere adquirir o mesmo produto/serviço através de outro meio, obtendo outro tipo de experiência. Deste modo, é fundamental estarmos sempre em alerta e adiantarmo-nos à concorrência para que sejamos vistos como inovadores e capazes de solucionar os problemas dos consumidores, mais rapidamente que as outras empresas.

Resumindo, deverá focar-se em:

  1. Procurar novas oportunidades de desenvolvimento de negócio, sejam produtos/serviços etc.
  2. Construir uma presença online ativa
  3. Fazer um plano de marketing prático e bem estruturado
  4. Consolidar a sua marca no mercado atual e potencial
  5. Vender benefícios aos clientes e não apenas produtos ou serviços
  6. Calcular o retorno das ações de marketing, face ao igual período do ano anterior

Todos estes pontos são fundamentais para o sucesso do seu negócio através da aplicação de ações de marketing.

Deixe-me ajudá-lo a encontrar novos clientes e a fidelizar os atuais, através de ferramentas, tais como: email marketing, campanhas de Google adwords, newsletters, plano de marketing, estudo de mercado, redes sociais, etc. estas ferramentas são essenciais para conquistar um crescimento sustentado e duradouro, orientado para o sucesso da sua empresa a longo prazo.

Quanto cobra um Consultor de Marketing Digital?

12718260_1552604185051472_7640647707155162985_n

Ao contrário do que a maioria dos empreendedores pensa, um serviço de consultoria é viável financeiramente para as pequenas empresas.

O consultor precisa de uma reunião preliminar para entender melhor a procura e o cenário do cliente, para então traçar uma estimativa de atuação.

Dificilmente um consultor cobrará por hora, visto que existem problemas que são muito complexos, mas a partir da decisão tomada, são rápidos de resolver. Outros, muito mais simples, porém necessitam de muito mais tempo para uma resolução. Pode ser injusto cobrar pelos serviços dessa forma. Mas, cada caso é um caso! Justamente por isso, o consultor também adequa os seus honorários à realidade da empresa.

Fica difícil saber quanto cobrar sem entender a procura, mas é um fato de que um consultor pode passar um orçamento de um projeto para uma empresa pequena, tendo em conta a realidade financeira da mesma. Como a consultoria é um processo totalmente personalizado, essa adequação já é pré-requisito de trabalho!

A dica é transparência! Se isso o preocupa como gestor, deixe esse ponto claro para o consultor. Essa confiança mútua será necessária em todas as etapas do trabalho.

Nota: Este Post foi adaptado do blog de Camila Renaux – Consultoria em Marketing Digital.Quanto cobra um Consultor de Marketing Digital?

Consultoria de Marketing Digital para pequenas empresas

É muito comum um Consultor de Marketing ouvir comentários de empreendedores e proprietários de pequenas empresas, tais como: “A minha empresa é muito pequena, pode ajudar-me?” ou “Não tenho capacidade para pagar por um consultor, porque a minha empresa ainda é pequena”.

Este tipo de comentários causam-nos surpresa, pois sabemos que contar com a presença de alguém de fora da organização, com conhecimento de estratégias de mercado e aplicá-las não tem relação com a dimensão da empresa, mas sim com o desejo de alcançar um novo patamar, nível e posicionamento no mercado.

Este meu post tem como objetivo orientar os donos e gerentes de pequenas empresas, comércios locais, a entender como funciona um projeto de Consultoria de Marketing Digital em empresas de pequena dimensão e também como contratar um consultor.

Como saber se minha empresa precisa de um Consultor de Marketing Digital?

O simples fato de haver essa questão já é um indicador dessa necessidade.

Por se tratar de uma área bastante nova e em constante mudança, costuma ser difícil para os gestores, diretores e donos de pequenas empresas acompanharem e colocarem em prática as possíveis estratégias de Marketing Digital.

Todas as empresas vivem “na correria do dia-a-dia”, sejam grandes ou pequenas. A questão é que nas micro e pequenas empresas as lideranças acumulam funções, tendo que reunir múltiplas competências (Financeiro, RH, Compras, Comercial, etc.).

Na hora de falar em Marketing, costuma-se dar um jeito, sem muito planeamento, avaliando as ações conforme a necessidade. Até mesmo as agências de publicidade raramente prospetam os pequenos, atendendo-os apenas quando são procuradas.

Quando se fala em digital e web, é um pouco mais complicado, pois é necessário conhecimento técnico para fazer acontecer e qualquer erro está mais exposto. Caso a empresa decida fazer uma FanPage no Facebook, por exemplo, e cometa um erro grave nesta rede, pode ser alvo de críticas ou até mesmo de uma crise nas medias sociais.

As possibilidades de crescimento de uma empresa através da Internet é enorme, o que traz algumas perguntas à tona:

  1. Como estar na Internet e nas medias sociais?
  2. Quais os canais, redes sociais, plataformas e anúncios devo escolher?
  3. Como saber se a empresa está a ter sucesso, naquilo que se está a fazer na Internet?

Caso tenha respondido “não sei” nalguma delas, eu posso ajudá-lo(a) a encontrar essas respostas, deixe o seu email de seguida:




Nota: Este Post foi adaptado do blog de Camila Renaux – Consultoria em Marketing Digital.