Consultoria de marketing, o que é?

São imensas as empresas, que têm variadas dúvidas sobre quais as estratégias de marketing que devem adotar e não sabem o que fazer, nem como resolvê-las.

Nessa altura deverão pesquisar e encontrar o melhor consultor/a, que apresente um perfil profissional e experiência comprovada na área. De seguida contactá-lo/a para uma ou várias sessões de consultoria.

O próximo passo sabemos que nem sempre é fácil, pois terá de abrir as portas da sua empresa, para alguém estranho. Mas pense no lado positivo, será alguém que o vai ajudar a solucionar os seus problemas e a esclarecer as suas dúvidas. Alguém que lhe dará caminhos possíveis a seguir e que o ajudará a analisar a sua empresa e mercado.

A consultoria de marketing, também denominada muitas vezes por outros nomes: reunião de planeamento estratégico, reunião de gestão de marketing, apuramento das técnicas de marketing, gestão estratégica da empresa etc. é fundamental para a definição dos seus objetivos de marketing, para a melhoria de processos internos e externos da empresa, entre outros aspetos.

Com a ajuda de um consultor/a especializado/a fica mais fácil definir certos aspetos fundamentais ao seu negócio, tais como uma simples análise swot (pontos fortes e fracos, ameaças e oportunidades).

Quem analisa a sua empresa de fora, consegue ver aspetos positivos e negativos, que alguém internamente não vê devido à ligação emocional que tem com a mesma. Por vezes uma análise que parece mais complicada à equipa interna é facilmente realizada pela equipa externa e vice-versa.

O foco das sessões de consultoria servem para que a informação estratégica que é apurada interna e externamente, leve à tomada de decisões mais coerentes e corretas a médio e longo prazo, pelos tomadores de decisão.

Muitas das sessões de consultoria ajudam também na criação do plano de marketing, que consequentemente leva à definição de todas as variáveis do marketing mix, tais como: o preço, o produto, a comunicação e a distribuição.

Relativamente ao relacionamento com os seus clientes, por vezes sente dificuldades em transferir o mesmo do meio “offline” para o meio “online”, não é?

Uma das muitas dificuldades, que as empresas de consultoria de marketing ajudam a ultrapassar é através do aconselhamento estratégico relacional e comunicacional.

Sabemos que o marketing digital para empresas tem sido um bicho-de-sete-cabeças para muitas. São muitas as redes sociais online onde a sua empresa pode estar presente, são muitos os emails marketing que podem ser enviados, mas é preciso saber atualizar e segmentar a base de dados e são muitas as campanhas no Google Adwords e/ou Faceboos Ads que podem ser criadas, mas para quê?

Qual é o real objetivo de todas estas ferramentas de marketing digital?

A resposta a estas e muitas outras questões é da missão dos consultores de marketing. Pois as sessões de consultoria servem para ajudar as empresas, a ultrapassar as suas dificuldades e a superar os novos desafios, com o objetivo de atingir novamente o caminho que leva ao sucesso e ao crescimento da sua empresa.

E lembre-se: “Nenhuma empresa é melhor do que o seu administrador permite.”

Peter Drucker

Se surgiu alguma dúvida ao longo da leitura deste artigo, envie-me agora uma mensagem. Terei todo o gosto de poder ajudar, a esclarecer a sua questão.

Um bom CV atrai os Gestores de RH

Como criar um bom CV em 5 passos?

Antes de mais nada, devemos ter em atenção qual a função e empresa, a que nos estamos a candidatar.

Existem certas ofertas de emprego que exigem que o curriculum vitae – CV seja enviado no formato do modelo europeu, também conhecido por cv europass, pois quando se trata de uma função que não exija criatividade é mais fácil para o gestor de recursos humanos realizar a comparação dos inúmeros candidatos através de um CV padronizado.

Sempre que esta exigência não seja mencionada na oferta de emprego, claramente deverão dar asas à vossa criatividade e mostrar um pouco das vossas capacidades na criação do CV, mas nunca esquecendo as informações obrigatórias do CV, que iremos abordar de seguida.

  1. Fotografia e respetivos contactos atualizados – Neste ponto a vossa melhor fotografia sem uma postura defensiva (braços cruzados, ombros desalinhados etc.) é fundamental. No caso dos contactos uma vez que o CV irá ser enviado para inúmeras ofertas de emprego, não é aconselhável colocarem a vossa morada completa, basta apenas a cidade e mais tarde na entrevista, quando souberem mais informações sobre as reais intenções da empresa e/ou no momento da contratação, aí sim fornecem a vossa morada completa na ficha de novo colaborador, estando desta forma os vossos dados pessoais salvaguardados;
  2. Breve resumo sobre as vossas mais-valias e o porquê de se estarem a candidatar a esta função – Pensem nas vossas características chave e elaborem um pequeno parágrafo com as mesmas, ex:  “Sou uma pessoa extremamente motivada para desenvolver as minhas competências e crescer profissionalmente. Estou confiante na minha capacidade de apresentar ideias interessantes que irão impulsionar a sua empresa.”
  3. Mini-infográficos com características-chave mais relevantes e competências linguísticas – É muito mais apelativo para o gestor de recursos humanos analisar o vosso curriculum, se o mesmo estiver visualmente apelativo através de esquemas gráficos e imagens.
  4. Experiência profissional ordenada da situação atual até ao início de carreira, mas atenção, foque-se nas funções e empresas mais relevantes, menos é mais! – Menos é mais ouvimos esta expressão inúmeras vezes e neste caso também se aplica. Se quando começou a trabalhar, a área não tinha nada a ver com a função a que se está a candidatar e nem acrescenta nenhuma característica-chave ao seu CV deverá remover essa experiência, pois apenas estará a tornar o seu CV maçudo e muito extenso.
  5. O mesmo acontece na Educação e Cursos de Formação, foque-se nos mais recentes graus académicos/escolaridade e nos cursos adquiridos – Por vezes vemos exemplos de CVs, que uma só folha está cheia de cursos adquiridos ao longo de toda a carreira. Se pensar bem o curso que realizou há cerca de 10 anos, de nada serve nos dias de hoje, se o mesmo não tiver sofrido uma “reciclagem” de conteúdos. Nos dias que decorrem, o que era certo há momentos atrás pode já não ser no momento atual, porque as legislações e conteúdos mudam a uma velocidade estonteante. Mais uma vez não acrescenta nada de positivo ao seu CV, apresentar cursos obsoletos e que não foram “reciclados” com novas formações.
infografico
Exemplo de uma boa fotografia e infográfico para CV.
Espero ter ajudado a entender melhor, quais os pontos fundamentais que deverá conter o seu CV.

Qualquer dúvida que tenha surgido disponha. Se precisar da minha criatividade estarei disponível para ajudar, por apenas 15€ crio-lhe um CV de 2 páginas em português, noutras línguas darei orçamento.

Exemplo de Funil de Vendas de empresa de mobiliário

Imagine que o seu negócio é vender mobiliário maioritariamente: sofás e que tem um site onde fala sobre os cuidados que se deve ter quando vai escolher os seus sofás.

No topo do funil, um provável cliente está a pesquisar na internet sobre sofás e encontrou o blog da sua empresa.

O visitante do seu blog começa a ler um artigo que contém os 5 problemas mais frequentes que acontecem com os sofás e percebe que a sua situação é familiar com o problema número 3, referente às dores lombares que sente após estar alguns minutos sentado no seu sofá.

Seguindo as orientações do seu artigo, ele confirma que as dores lombares se devem ao facto do sofá estar demasiado mole e deformado nas zonas de apoio lombar e nos assentos. Ou seja, ele toma consciência do seu problema.

Em seguida, no meio do funil, o provável cliente pesquisa no seu site maneiras de reduzir as dores lombares que sente após estar sentado/a no seu sofá.

À procura de soluções para o seu problema, ele considera inicialmente colocar mais almofadas no seu sofá, para dar um maior suporte ao seu corpo quando se senta no mesmo, mas finalmente admite que o seu sofá já está mesmo estragado/deformado e precisa urgentemente de trocá-lo para que a sua saúde melhor e as dores lombares desapareçam. Resumindo: ele precisa tomar uma decisão de compra.

No fundo do funil, o futuro cliente compara os preços e as avaliações de várias lojas, pois os sofás são caros, e ele quer garantir que está a comprar algo de qualidade.

Como já está familiarizado com a sua empresa, também procura por novos sofás no seu site e descobre uma secção com depoimentos de clientes. Como a maioria dos depoimentos é positiva, ele decide realizar a compra.

Por fim, após a compra o novo cliente recebe via email um artigo com dicas de como cuidar do seu novo sofá, evitando deformações, nódoas difíceis etc. O novo cliente entende que a empresa realmente se importa com os seus clientes e está preocupada em ajudá-lo a manter o seu novo sofá por muito tempo.

Feliz com toda a experiência o novo cliente, deixa uma avaliação positiva na secção de depoimentos e torna-se assim um promotor da sua empresa.

Já entendeu porque os conteúdos relevantes, baseados nas várias fases do funil de vendas/marketing são essenciais para a sua empresa?

Deixe-me ajudá-lo(a) a fazer crescer o seu negócio.

 

 

Como o marketing de conteúdo me atrai clientes?

O marketing de conteúdo utiliza conteúdo relevante através do funil de vendas, para atingir potenciais consumidores, na intenção de criar um bom relacionamento e gerar mais conversões.

Através de informações relevantes as empresas conseguem atrair a atenção dos utilizadores presentes na Internet, transformá-los em leadspotenciais consumidores – e incentivar as leads qualificadas a concluírem uma compra.

Antes de mais nada, sabe o que é o funil de vendas?

O funil de vendas demonstra o percurso que um utilizador realiza até se tornar num interessado, num comprador e num defensor da sua marca/empresa.

Tal como o nome indica é um funil com um topo largo em direção a uma base estreita, pois a atração e entrada de utilizadores é sempre maior do que as conversões atingidas.

funil de vendas / marketing

Quais são então as etapas que percorrem o funil de vendas?

O funil de vendas é dividido em 3 etapas: topo, meio e fundo.

  1. Topo do funil — Descoberta do problema

O topo é conhecido como a etapa da consciência, pois até aqui a pessoa era indiferente à sua própria necessidade ou problema.

  • A pessoa não procurava nenhum produto ou serviço porque desconhecia que tinha esse problema. No entanto, quando tem o primeiro contato com a sua empresa/marca, ela compreende que existe esse gap e vai estudar sobre ele.
  • Chega então o momento de fornecer materiais que ajudem o visitante a diagnosticar o problema e a compreendê-lo. Deste modo, qualquer dúvida que surja sobre o assunto irá procurar a sua empresa para esclarecê-la.

Nessa etapa geralmente lidamos com visitantes, pessoas que chegaram até ao site, mas sobre as quais ainda não temos nenhuma informação.

Chega o momento de oferecermos-lhes materiais ricos, na tentativa de convertê-las em leads e fazê-las descer no funil de vendas.

 

  1. Meio do funil — Reconhecimento do problema e consideração da solução

A passagem da 1ª etapa para a 2ª é o reconhecimento do problema.

  • O visitante já leu bastante sobre o assunto e reconhece que realmente tem um problema. Neste momento está à procura de soluções para acabar com o problema e chega a altura da sua empresa apresentar dicas e técnicas que possam ajudá-lo/a.
  • Nessa fase, normalmente já lidamos com as leads, pessoas que já interagiram com o conteúdo e forneceram informações básicas de contato em troca do acesso a algum conteúdo.

Como o lead não sabe bem como resolver o seu problema, vai considerar várias soluções, inclusive a compra de um serviço. Porém, tem dúvidas se essa é realmente a opção correta para seu caso.

O objetivo da sua empresa é ajudar o lead e não vender-lhe algo à força toda, tem de estabelecer uma relação de confiança que será benéfica quando o lead já estiver qualificado e puder passar para a próxima fase do funil – a decisão de compra.

 

  1. Fundo do funil — Decisão de compra

No fundo do funil lidamos com MQLs (Marketing Qualified Leads) — leads que passaram por todo o processo de educação e que o Marketing classificou como prontas para receberem o contato do vendedor.

  • Uma MQL sabe que tem um problema que não o consegue resolver sozinha e como tal, precisa de contratar um serviço/comprar um produto.
  • Se a sua empresa acompanhou a lead até esta fase, então já é conhecida como uma empresa de referência de mercado e uma empresa em quem ela pode confiar para negociar o serviço/produto.

Chega então o momento certo, de mostrar que a sua empresa é a parceira certa que ela tanto procura, pois apresenta os produtos e/ou serviços que lhe resolvem o problema.

Após algumas comparações com outras empresas, a MQL vai escolher a que acredita ser a melhor alternativa e fecha o funil de vendas, realiza a compra e transforma-se num cliente.

Algumas empresas incluem ainda uma 4ª etapa: a pós-venda. Essa etapa é focada em fidelizar o novo cliente e transformá-lo num promotor da sua marca.

Deixe-me ajudá-lo(a) a fazer crescer o seu negócio.

Saiba mais aqui: Criação de conteúdo